O Brasil dá um salto na lista de países que investem em energia limpa e renovável

Nosso país tem, em abundância, uma das fontes mais preciosas para viabilizar a energia solar: o sol. A utilização da tecnologia capaz de atuar sobre essa força da natureza traz benefícios para o meio ambiente, para a população e, concomitantemente, para o setor do alumínio. O metal é utilizado em ampla escala na confecção de aquecedores solares de água e dos painéis que captam a energia solar – desde a estrutura, por meio de perfis de alumínio para encaixilhar os painéis, os próprios painéis destes coletores (basicamente, uma chapa de alumínio pintada de cor preta para maior retenção do calor do sol), aos tubos de condução de água do sistema, por suas propriedades anticorrosivas, e no reservatório da água que será utilizada, ou boiler.

Desde a decisão da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU) de incluir aquecedores solares de água nas casas populares, a presença do alumínio nos canteiros de obras no interior de São Paulo aumentou consideravelmente. Em 2007, a Companhia incluiu o item nos projetos de moradias de Interesse Social com o objetivo de reduzir as despesas dos mutuários com a conta de luz, economizar energia, principalmente nos horários de pico, e contribuir com a sustentabilidade ambiental.

“Uma das grandes preocupações do governo do Estado é garantir à população moradias com conforto, qualidade de vida e cujas construções respeitem o meio ambiente. A partir das Casas-Modelo que estão sendo projetadas e que servirão de referência para as residências, esses valores estarão sempre presentes – por meio da metragem de 44 m2 a 58 m2, no pé direito ampliado para 2,6 m e na presença do alumínio, já que 100% das casas terão aquecimento solar”, conta João Abukater, diretor-técnico da CDHU.

Na metade do ano, com a inauguração da primeira casa-modelo, em Lençóis Paulista, a companhia realizou uma licitação para a contratação de fabricantes de aquecedores, ao todo 15 mil equipamentos. Fundada em 1981, a Soletrol já forneceu aquecedores para concessionárias de energia como Eletropaulo, Light e CPFL, entre outras, e agora está entre as empresas fornecedoras para a CDHU – cerca de três mil kits. Fabricante de aquecedores solares de água e equipamentos relacionados ao suporte desta tecnologia, como acessórios hidráulicos e controladores digitais, sua linha de produtos possui equipamentos destinados a todo tipo de aquecimento solar de água, independentemente do tamanho do sistema ou demanda por água quente. “Não fazemos simplesmente a produção e instalação dos equipamentos. Avaliamos se as casas estão aptas a receber o aquecimento até a questão social dos moradores. Damos paletras para os licitados de modo que entendam o que estão recebendo”, conta o engenheiro Luciano Torres, diretor técnico da Soletrol Tecnologia. “Os benefícios vão do conforto para as famílias à economia na conta de luz, de 25% a 30% menos no total”, contabiliza.

A Transsen também venceu a licitação das habitações populares da companhia e fornecerá mais de 2500 equipamentos na região de Araçatuba e São José do Rio Preto, distribuídos em 40 cidades. A maioria dos coletores solares da empresa utiliza alumínio em sua fabricação. “Essa opção proporciona maior rigidez e resistência a intempéries, e também, alta eficiência térmica, quando utilizado nas placas absorvedoras”, descreve o engenheiro Leonardo Chamone, gerente técnico da Transsen, e observa que, ao substitur o cobre por alumínio nas placas absorvedoras, obtêm-se um aumento significativo da relação custo-benefício. “Utilizando o outro material, o ganho de eficiência não é proporcional ao custo investido”.

Luz no mercado brasileiro

No Brasil, existem cerca de 200 fabricas de aquecedores solares. Destas, aproximadamente 40 empresas detêm mais de 80% do mercado, sendo que as demais são micro e pequenas empresas que atendem a mercados locais e muito específicos. “No ano de 2008, foram instalados cerca de 670 mil metros quadrados de coletores solares, o que representou um crescimento de 18% em relação ao ano de 2007. Com isto o setor tem mantido mais de 16.500 empregos em todo o pais”, conta Marcelo Mesquita, novo gestor solar do Departamento de Energia Solar (DASOL) da Associação Brasileira de Refrigeração, Ar-condicionado, Ventilação e Aquecimento (Abrava).

Apesar da instalação dos 670 mil metros quadrados, avalia Mesquita, a indústria nacional tem uma capacidade produtiva de cerca de 2 milhões de metros quadrados, ou seja, hoje, trabalha com uma capacidade ociosa. “O setor de aquecimento solar vem crescendo e prevê investimentos da ordem de 60 milhões de reais nestes próximos dois anos. 2009 iniciou em clima de crise e, mesmo assim, no 1º trimestre, o mercado de aquecedores solares cresceu quase 4% em relação ao ano de 2008. As expectativas apontam para que o mercado cresça perto de 20% em 2009 e repita este número em 2010”, projeta. Mesquita acrescenta, ainda, que a decisão do governo de considerar os aquecedores solares nas novas casas construídas pelo programa “Minha Casa Minha Vida” também contribuirá de forma vigorosa para a consolidação da tecnologia mais limpa e barata para o aquecimento de água no Brasil.

“Existe um espaço enorme para o mercado solar crescer no Brasil, na América Latina e no mundo. A Transsen acredita que a movimentação de R$ 200 milhões anuais do mercado brasileiro hoje, por exemplo, pode crescer pelo menos dez vezes nos próximos 10 anos. A empresa prepara-se para acompanhar as projeções de crescimento, sobretudo, por meio do fortalecimento de suas tecnologias, do desenvolvimento de produtos de ponta e capazes de atender a todos os segmentos de mercado e perfis de consumidores”, reforça Chamone.

Hoje, apenas 1,78% das casas brasileiras usam aquecedores solares. Na Austria, por exemplo, 25% das casas usam a tecnologia e no Chipre e Israel, mais de 95% das casas usam aquecedores solares. Por enquanto, no Brasil, a grande demanda de energia solar tem surgido nas regiões mais afastadas, aonde a rede elétrica ainda não chegou. “Iniciativas como as que vemos hoje, e a possibilidade de adesão do Governo Federal, com o ‘Minha Casa, Minha Vida’ devem melhorar esse quadro”, aposta o engenheiro da Soletrol.

sistemas, composto de especialistas de centros de pesquisas com núcleo de excelência na área de energia solar e representantes da Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético (SPE) e da Secretaria de Energia Elétrica (SEE). De posse dos resultados dos estudos do grupo, o MME e o governo federal terão os subsídios necessários para identificar a viabilidade da geração fotovoltaica e da comercialização dessa energia por particulares no Brasil, além de levantar a melhor conformação legal e regulatória para a implementação dessa prática, a fim de garantir o menor custo global para o consumidor final do sistema elétrico. Se a conclusão do Grupo de Trabalho for favorável ao início deste sistema de distribuição de energia no Brasil, os consumidores de energia ganharão a oportunidade de ter a opção de escolher seu sistema de aquecimento. Além disso, a indústria pode ser muito beneficiada.

FONTE: Revista Alumínio

Tags: ,

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: